Nigéria atualiza CBDC para afastar as pessoas do BTC e Altcoins

O Banco Central da Nigéria atualizou sua moeda digital nativa, a eNaira, para evitar que o público use alternativas...

David Dias - 10 de maio de 2022
Nigéria atualiza CBDC para afastar as pessoas do BTC e Altcoins



O Banco Central da Nigéria atualizou sua moeda digital nativa, a eNaira, para evitar que o público use alternativas de criptografia. Parece que a Nigéria está ansiosa para impulsionar o eNaira o máximo possível, ao mesmo tempo em que implementa duras restrições às criptomoedas. A direção legislativa já foi monitorada pela ONU, que informou que as duras restrições estão suprimindo o setor de fintech do país africano. O presidente do Banco Central recebeu uma quantidade notável de críticas não apenas de instituições internacionais, mas também de políticos locais.

O porta-voz do Banco Central, Baribloka Koyor, enfatizou a importância da adoção antecipada. Segundo Koyor, assim que o e-Naira decolar no país, será a única forma de receber ajuda financeira do governo local. Além disso, pesquisas realizadas no mês passado revelaram que o e-Naira foi classificado como o CBDC mais desenvolvido do mundo, superando os da China, Coréia do Sul e Bahamas.

A concorrência entre CBDCs e criptomoedas está esquentando

No ano passado, o governo nigeriano realizou uma campanha promocional persuasiva para o eNaira, liderada pelo slogan “Same Nara, mais possibilidades”. No entanto, a própria naira despencou 209% nos últimos seis anos. Diante dessa realidade, um grande número de nigerianos se interessou pelas criptomoedas. No mês passado, uma popular exchange cripto nigeriana revelou que mais de 33 milhões de cidadãos nigerianos possuíam ou negociavam criptomoedas no segundo semestre de 2021

Desde o lançamento do eNaira em outubro do ano passado, as regras de negociação de criptomoedas foram reforçadas. Os bancos comerciais agora são obrigados a rastrear a atividade de seus clientes e relatar ao governo se algum sinal de negociação de criptomoedas for detectado. Isso já causou danos significativos ao setor de TI, especialmente fintech, conforme explicado em um relatório dos secretários-gerais da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e das Nações Unidas.

Expressando preocupação com os jovens adultos que trabalham no setor de tecnologia, o relatório afirmou: “As restrições às transações de criptomoedas na Nigéria prejudicaram o investimento estrangeiro direto na indústria de fintech”.

Para resumir, o CBDC não parece estar mostrando sinais de desaceleração. Recentemente, foi relatado que 80% dos bancos centrais estão trabalhando em suas próprias moedas digitais. A China foi o primeiro país a colocar a ambição em prática e agora oferece seu aplicativo digital yuan para cidadãos de 23 cidades, com planos de expansão.